Honda NXR 160 Bros é campeã geral do Selo Maior Valor de Revenda – Motos 2018

A Honda NXR 160 Bros foi a campeã geral da 3ª edição do Selo Maior Valor de Revenda – Motos, da Autoinforme. Obteve depreciação de apenas 6,7% em um ano de uso. A empresa líder do setor em volume de vendas vence em 3 das 17 categorias. Yamaha surpreende em 5 categorias.

20/07/2018 – Com apenas 6,7% de depreciação em um ano, a Honda NXR 160 Bros foi a moto melhor avaliada na 3ª edição do Selo Maior Valor de Revenda – Motos, da Agência AutoInforme, em parceria com a Textofinal de Comunicação. A montadora japonesa também venceu nas categorias Motoneta com a BIZ 110i/125, Street (CG125/160) e na categoria Trail com a própria NXR 160 Bros. Este ano, a empresa que mais levou troféus para casa foi a Yamaha. Venceu em cinco categorias.

Outras quatorze motocicletas foram contempladas pelo Selo Maior Valor de Revenda – Motos 2018, respectivamente em suas categorias: Shineray Phoenix 50 (50 cc), Kawasaki Vulcan S 650 (Custom até 800 cc), Dafra Citycom S 300i (Scooter acima de 200 cc), BMW R 1200 GS (Big Trail acima de 800 cc), BMW S 1000 RR (Sport acima de 800 cc), Triumph Tiger 800 (Big Trail até 800 cc), Triumph Street Twin 900 (Clássica), Harley-Davidson Softail Heritage (Custom acima de 800 cc), Harley-Davidson Touring Road King 1745 (Touring).

A lista de motocicletas vencedoras se completa com os modelos da Yamaha: MT-09 Tracer (Crossover), MT-07 690 (Naked até 800 cc), MT-09 850 (Naked acima de 800 cc), NMax 160 (Scooter até 200 cc) e YZF-R3 321 (Sport até 800 cc).

A pesquisa, parceria da Agência Autoinforme com a Molicar, considerou 138 motos zero km mais vendidas, de 17 marcas, com base nas cotações de preços praticados no mercado, em março de 2017 ante igual período deste ano.

Segundo Joel Leite, idealizador do SMVR-Motos e diretor da Agência AutoInforme, “esta versão de motocicletas faz parte do tripé do Selo Maior Valor de Revenda – Autos, em sua 5ª edição, e o de Veículos Comerciais, em sua 4ª edição. No Brasil, a moto proporcionou o verdadeiro direito de ir e vir para grande parte da população. Em 2000, pouco mais de 3,5 milhões de brasileiros utilizaram a moto para o seu transporte. Hoje são mais de 20 milhões. Daí a importância deste selo que procura incentivar a indústria e os importadores a oferecerem melhores produtos e melhores serviços de pós-vendas, de modo que o consumidor possa obter o máximo de seu investimento”.

Com apoios institucionais da ABAC, Abeifa, AEA, Fenabrave, Fenauto e Sindipeças, e patrocínio máster da Philips Automotive, o Selo Maior Valor de Revenda – Motos retrata, constata, baliza, os preços praticados no mercado brasileiros, sem subjetividades. “Com isso, reconhece o trabalho das montadoras e das importadoras no processo de aperfeiçoamento de seus produtos e serviços e, na outra ponta, auxilia o consumidor na hora da compra”, argumenta Joel Leite.

www.autoinforme.com.br

Divulgação
Textofinal de Comunicação Integrada
Tel.: (11) 3849-8633 – [email protected]
Koichiro Matsuo – MTb 13 224

Gol e Voyage automáticos

30/07/2018 – Na última quinta-feira, 26, a Volkswagen apresentou à imprensa especializada os novos Gol e Voyage com transmissão automática de seis velocidades sequencial e acionamento por alavanca e borboletas da Aisin. Ambos como linha 2019 e com pequenas alterações estéticas na grade, faróis e para-choque dianteiros.

É a primeira vez que os dois modelos dispõem do recurso. E, por enquanto, apenas nas versões com motor 1.6 litro, que responde por cerca de 20% das vendas do hatch e sedã no mercado interno, que têm no motor 1.0 a maioria dos negócios. A Volkswagen calcula que as novas versões devem representar de 25% a 30% dos Gol 1.6 e até 35% dos Voyage 1.6.

No entanto, para desfrutar da nova transmissão, que conta com opção de condução esportiva, o consumidor terá de desembolsar R$ 59.990,00 pelo Voyage e R$ 54,580,00 pelo Gol, que, reforça a montadora, ainda assim se torna o carro automático com motor 1.6 mais barato do mercado.

Simea 2018 começa nesta quarta

30/07/2018 – Com a participação do ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços – MDIC, Marcos Jorge de Lima, começa nesta quarta-feira, dia 1 de agosto, no Centro de Convenções Rebouças, a 26ª edição do SIMEA – Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva, promovida e organizada pela AEA – Associação Brasileira de Engenharia Automotiva.

Com o tema “A rota para o futuro da mobilidade no Brasil”, o Simea 2018 vai debater, em dois painéis, a evolução do powertrain e as tecnologias para o veículo do futuro, além da palestra do piloto de Fórmula E e da Stock Car, Lucas Di Grassi, sobre o projeto Roborace.

O evento deve receber 1.200 engenheiros e profissionais da cadeia automotiva brasileira.

Cerato e Sportage entre os 22 modelos mais valorizados

30/07/2018 – Com índice de depreciação de 6,9% em um ano de uso, os modelos Cerato e Sportage, da Kia Motors, aparecem em 9º e 11º lugares entre os carros mais valorizados em 2018, segundo pesquisa feita pela revista AutoEsporte, à frente de vários veículos nacionais e importados, de tradicionais montadoras internacionais.

Segundo Carlos Ayub, sócio e líder do segmento automotivo da Deloitte Brasil, em entrevista à revista, “há um reflexo direto da idade dos projetos. Modelos mais modernos, com tecnologias mais recentes, acabam sendo mais procurados pelo consumidor”, explica., “já projetos mais antigos seguem a tendência oposta”.

Na avaliação de Ary Jorge Ribeiro, diretor de Vendas da Kia Motors do Brasil, “podemos e devemos considerar outros fatores que sustentam o valor do carro, como os serviços de pós-vendas, disponibilidade de peças e componentes e, principalmente, pronto atendimento da rede autorizada de concessionárias. Nos últimos dez anos, a partir da chegada de Peter Schreyer, além da atualização inegável dos modelos Kia, em design e motorizações, aqui no Brasil cuidamos de fortalecer a rede. O estudo da revista AutoEsporte nos mostra que o resultado corresponde a esse rigoroso trabalho de nossa marca”.

Rolls-Royce quer táxi voador na próxima década

Rolls-Royce quer táxi voador na próxima década

18/07/2018 – A britânica Rolls-Royce esta semana anunciou o desenvolvimento de um veículo elétrico híbrido voador, capaz de decolar e aterrizar verticalmente, com capacidade para quatro ou cinco passageiros.  O Evtol – veículos elétrico de decolagem e aterrizagem vertical – poderá alcançar velocidade de 322 km/h e ter autonomia de voo de 805 km.

O protótipo do Evtol deverá sair em 18 meses, afirmou a Rolls-Royce.

0 km ou seminovo ?

Saiba aqui qual carro é melhor para você: Um novo, um seminovo ou um usado.

Ter um carro é o sonho de consumo de muitos brasileiros. Mas quando chega a hora de adquirir esse bem pode surgir aquela dúvida: é melhor comprar um carro novo, seminovo ou usado? A resposta a essa pergunta pode ser um pouco difícil de responder, pois isso depende do perfil de cada comprador. Para facilitar essa escolha, separamos algumas considerações importantes que poderão ajudá-lo!

Quando vale a pena comprar um carro novo?

Valerá sempre a pena ter um automóvel zero quando o comprador deseja ficar pelo menos três anos com o veículo. Isso porque esse é o período em que há certa estabilização em relação ao seu valor. Assim, pode ainda haver alguma vantagem em revendê-lo do que se fosse um carro seminovo ou usado.

Nesse caso, também pode haver menos gasto com manutenção, porque o carro não teve outros donos. Além disso, mesmo quando ele necessita de algum reparo, pode-se utilizar a garantia.

Quando vale a pena comprar um carro seminovo?

Motoristas iniciantes devem optar por um veículo seminovo, porque ainda estão ganhando experiência ao utilizá-lo e costumam desgastá-lo mais rapidamente. Dessa forma, arranhar ou bater um carro que não é novo pode ser menos negativo.

Mas com certeza o preço pode ser a maior vantagem quando se adquire esse tipo de carro. Muitas vezes ele ainda está em ótimo estado, bem equipado, com manutenção em dia e sendo vendido por valor inferior ao de um novo de qualidade equivalente.

Quando vale a pena comprar um carro usado?

Algumas pessoas podem torcer o nariz para um carro usado mais antigo, mas essa também pode ser uma boa opção de compra. Isso dependerá de seu preço e estado de uso, principalmente se tiver pertencido a apenas um dono que o manteve em boas condições.

Entretanto, adquirir um carro usado mais antigo requer alguns cuidados especiais:

· Em caso de financiamento, deve-se analisar se a taxa de juros não é muito alta.

· Deve-se analisar o histórico da placa do veículo, verificando se está isento de problemas criminais e/ou multas.

· Realizar vistoria da parte mecânica do automóvel usado. Nesse caso, vale a pena contratar os serviços de uma empresa de consultoria ou mecânico de confiança.

Veja também:  CNH Digital passa a valer em todo o Brasil

· Evitar carros importados mais antigos, pois suas peças podem ter preço bastante elevado.

Sendo assim, antes de escolher entre um carro novo, seminovo ou usado, é importante analisar suas necessidades, quanto pode gastar e período que pretende continuar com ele. Por fim, lembre-se sempre de que esse tipo de compra não se trata de um investimento, pois tende a se desvalorizar com o tempo.

Um grande estoque de veículos on line

Nunca foi tão fácil procurar um carro para comprar:  com a disseminação de sites e portais de classificados, o consumidor entra na internet, faz uma busca por marca, por modelo, ou por faixa de preço, faz o filtro que lhe interessa e tem ali, em alguns segundos, tudo que aquele portal oferece. Agora, uma nova ferramenta de busca promete multiplicar ainda mais o número de ofertas. É o Poupa Motors, portal que reúne as principais plataformas de classificados de veículos, facilitando a procura.

O novo portal está entrando em operação por esses dias, reunindo um estoque virtual gigantesco. Por meio do Poupa Motors, o internauta acessa os estoques combinados de plataformas de venda como Webmotors, iCarros, Auto Line, Meu Carro Novo e outros portais de classificados. O volume de ofertas com esses parceiros passa de 800 mil unidades.

O projeto do Poupa Motors prevê uma grande campanha publicitária e numa segunda etapa vai trabalhar também nos segmentos de peças de reposição e de serviços automobilísticos.

Este artigo foi publicado originalmente na Agência Autoinforme
[email protected]

Montadoras deixaram de produzir 80000 carros

06/06/18 – 18:15 | 

As montadoras instaladas no País deixaram de produzir cerca de 80 mil veículos por causa da paralisação do transporte na última semana de maio. Todas elas ficaram pelo menos uma semana sem operar e somente na segunda-feira, 4, houve a retomada das linhas, hoje praticamente normalizadas.

Ao divulgar o balanço do setor na quarta-feira, 6, o presidente da Anfavea, Antonio Megale, estimou que serão necessários de dois a três meses para o setor recuperar a produção perdida.

“O impacto foi grande. Perdermos em torno de 25 mil unidades no mercado interno e 15 mil nas exportações. Esta semana a produção voltou ao normal e as montadoras vão tentar recuperar as perdas com hora extra, trabalho aos sábados e outras medidas do gênero. Mas a greve ainda deve refletir nos números de junho”.

Apesar dos problemas provocados pela paralisação do transporte de cargas, Megale continua apostando em um produção acima de 3 milhões de veículos este ano. A indústria automotiva continua ampliando quadro de mão-de-obra e já contratou 4,1 mil trabalhadores este ano, dos quais 600 no mês passado.

Balanço – Em função do movimento grevista, pela primeira vez no ano a indústria automotiva registrou queda em relação ao mesmo mês de 2017.

Foram fabricados em maio 212,3 mil veículos, volume 20,2% inferior ao de abril (266,1 mil) e 15,3% menor do que o registado no mesmo mês do ano passado (250,7 mil).

No acumulado do ano, no entanto, o desempenho é positivo em 12,1%, com 1.178.166 unidades produzidas até maio, contra total de 1.050.911 veículos fabricados nos primeiros cinco meses de 2017.

O presidente da Anfavea também comentou sobre o mercado interno, destacando que maio teria sido o melhor mês do ano se não tivesse ocorrido o movimento dos caminhoneiros. O mês fechou com 201,9 mil emplacamentos, o que representou queda de 7,1% sobre abril.

Nova versão do carro elétrico BMW i3 chega neste mês ao Brasil

As principais cidades euro­peias já anunciaram a proibi­ção de carros movidos a combustão e colocaram os carros elétricos como alter­nativa para o futuro. No Bra­sil, porém, o único à venda é o BMW i3, que a reportagem testou nesta semana.

Dirigir um carro elétrico, para quem sempre usou veícu­los a combustão, é uma experiência diferente. Ao dar a partida, o silêncio permanece dentro do i3. Só o painel aceso indica que ele já está ligado.

O pé cravado no acelerador resulta numa aceleração de 0 a 100 km/h em 7,8 segundos. Digno de esportivo.

Andando dentro do limite de velocidade, o freio se torna item dispensável. Ao ver o semáforo fechado, é só tirar o pé do pedal que a velocidade diminui até a parada total.

O modelo é movido 100% a eletri­cidade, embora tenha um motor a gasolina de 600 cm3que não move o carro, mas carrega a bateria quando a carga chega a 20%. Ele fornece mais 140 km de autono­mia, mas quem anda menos do que os 160 km garantidos pela eletricidade quase nun­ca vai precisar abastecer o tanque de nove litros.

O gestor hospitalar Edgar Escobar, 51, é um dos donos de um BMW i3. Escobar, que é presidente da Abra­vei (associação de donos de carros elétricos), viaja o Bra­sil com seu carro e diz ter uma economia de R$ 15 mil em combustível por ano.

“Carregar as baterias au­mentou a minha conta mensal de luz em R$ 45”, afir­ma. A BMWestima que cada carga completa, incluindo impos­tos, custe cerca de R$ 14.

Segundo Henrique Miran­da, gerente de projetos de marketing da montadora, o recomendado é que seja ins­talada uma estação de carga na casa do cliente.

“Ela é mais segura, já que a ligação elétri­ca é própria para o aparelho”, afirmou. O custo do aparelho instalado na garagem é de R$ 7.500.

Na cidade de São Paulo, o motorista de carro elétrico não entra no rodízio. A prefeitura também devolve 40% do valor do IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículo Auto­motor) após o pagamento.

Como não há troca de fluidos, a manutenção passa a ser menos frequente. Até os cuidados com os freios são menores, já que o próprio motor diminui bastante a ve­locidade do carro quando o motorista tira o pé do acelerador, poupando as pastilhas e os discos.

“O motorista vai ter um custo maior depois que os oito anos da garantia das bate­rias acabarem”, diz Miran­da. Segundo ele, cada um dos oito módulos, hoje, custa cerca de R$ 15 mil e pode ser trocado individualmente conforme falhas aconteçam.

É preciso lembrar que o carro testado pela reportagem não es­tá mais à venda. A nova ver­são do BMW i3 deve chegar às lojas em meados deste mês por cerca de R$ 200 mil.

A grande novidade dessa atualização será a autonomia maior, prometida para 300 km com eletricida­de, mais os 140 km do extensor a gasolina. O motor elétrico será prati­camente o mesmo, mas com cinco cavalos a mais, chegando a 175 cv.

O novo i3 vai puxar a fila de novos elétricos. Além dele, já estão confirmados para este ano o Nissan Leaf e o Volkswagen Golf GTE. A Chevrolet não confir­ma, mas também pode trazer o Bolt ainda em 2018.

BMW i3 REX
Preço* R$ 159,9 mil
Motor traseiro, elétrico
Potência 170 cv a 1 rpm (rotações por minuto)
Torque 25,5 kgfm a 1 rpm
Transmissão tração traseira, câmbio automático de uma marcha
Peso 1.315 quilos
Porta-malas 260 litros
Pneus dianteiros 155/70 R19; traseiros 175/65 R19
Aceleração (0 a 100 km/h) 7,8s
Retomada (80 a 120 km/h) 7,9s
Comprimento 4 metros
Entre-eixos 2,57 metros
Largura 1,77 metro
Altura 1,58 metro

  • último preço sugerido

Fiat convoca recall de 223.034 por risco de motor desligar sozinho

A Fiat anunciou no último dia 29 de junho, o recall de 223.034 veículos por falhas no relés – sistema de ignição e injeção de combustível -, que podem levar o motor do veículo a desligar sozinho. A convocação atinge os veículos Uno, Argo, Mobi, Toro, Grand Siena, Strada, Palio Weekend e Fiorino, ano-modelo 2017 a 2019.

“Foi detectado que a eventual falha dos relés poderá acarretar o funcionamento irregular do motor e, em casos extremos, o seu desligamento inesperado, comprometendo as condições de dirigibilidade do veículo e aumentando o risco de colisão, além de possibilitar a ocorrência de danos físicos e materiais ao condutor, aos passageiros e a terceiros”, diz a empresa em comunicado.

A existência da falha poderá ser observada mediante o acendimento da luz espia da bateria no quadro de instrumentos do veículo. Independentemente do acendimento da luz, a empresa pede que os proprietários desses veículos dirijam-se imediatamente a uma concessionária da rede para realizar o reparo.

O tempo estimado para o serviço é de aproximadamente 30 minutos. É necessário fazer o agendamento prévio em uma concessionária da rede.

É possível consultar os números dos chassis envolvidos no site www.fiat.com.br ou contate a Central de Serviços ao Cliente pelo telefone 0800 707 1000.